BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Composição e Estrutura do Ácidos Nucleicos 24 de Setembro de 2009

Filed under: 11ºAno — Prof. Cristina Vitória @ 18:59
Tags: , ,

 

Bom Ano de Trabalho, Estudo e Sucessooo !!! 18 de Setembro de 2009

Filed under: Uncategorized — Prof. Cristina Vitória @ 20:50

Para os alunos do 11º A de Biologia e Geologia, 9ºA de Ciências Naturais e de HSST, desejo um excelente ano escolar e muito sucesso. E para isso nada melhor que uma musiquinha para inspirar. Mas só hoje porque apartir de amanhã encontrarão aqui material de estudo e de trabalho. 😉

 

Dois macacos ficaram curados de daltonismo com terapia genética 17 de Setembro de 2009

macacosgenesTécnica tem potencial de ser aplicada a seres humanos

Uma equipa das universidades de Washington e da Florida recorreu à terapia genética para curar o daltonismo em dois macacos-esquilo. O trabalho que, referem, poderá ter consequências no tratamento de doenças que envolvem as células cone em humanos, é publicado hoje na Nature. Uma das conclusões mais relevantes é mostrar que é possível tratar estes problemas de visão em adultos, quando já não temos a plasticidade cerebral dos primeiros anos.

Os macacos-esquilo usados no estudo chamam-se Dalton e Sam mas, antes das apresentações, impõe-se a pergunta: como é que os cientistas conseguiram avaliar e acompanhar o daltonismo em dois macacos? Como sabiam quando é que os animais viam as cores e se as viam correctamente? Como muito treino e testes e com muitos anos de dedicação.

Segundo o comunicado divulgado sobre o trabalho, Dalton e Sam são acompanhados pela equipa de há cerca de dez anos. Os dois macacos foram submetidos a diversas provas, algumas semelhantes às que são feitas a crianças em todo o mundo, e a exames em frente ao computador. (more…)

 

Portuguesa descobre gene envolvido na formação de neurónios 15 de Setembro de 2009

descobgeneDescoberta publicada “Nature Neuroscience”

A bioquímica Luísa Pinto, agora no Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da Universidade do Minho, é a primeira autora de um artigo científico que anuncia a descoberta de um gene importante na formação dos neurónios. Publicado na última edição da revista “Nature Neuroscience”, o artigo diz que o gene – chamado AP2gamma – desempenha um papel essencial no desenvolvimento dos neurónios do córtex visual, onde se processa a informação visual.

Quando estava no Instituto de Investigação de Células Estaminais de Neuherberg, na Alemanha, Luísa Pinto e a colega alemã Magdalena Götz investigaram, numa primeira fase, a transformação em neurónios de um grupo de células estaminais embrionárias. As células estaminais embrionárias têm a capacidade de dar origem a todos os tipos de células no organismo, que se tornam por exemplo tecido da pele, do coração ou neurónios, já diferenciados.

Através do estudo do cérebro de embriões de ratinho, a equipa descobriu que o gene AP2gamma comanda o fabrico de uma proteína que leva a que as células estaminais embrionárias se transformem em neurónios no córtex cerebral, em particular no córtex visual. “É esse gene que leva a que se formem esses neurónios. Mostrámos que é importante em termos funcionais para a visão”, sublinha Luísa Pinto, de 28 anos, que voltou a Portugal em Janeiro.

A investigadora está agora envolvida no passo seguinte da investigação: verificar se o gene descoberto consegue conduzir à formação de novos neurónios num cérebro adulto. “No cérebro adulto, os neurónios não se regeneram”, explica Luísa Pinto. “O que estou a fazer agora é ver se este gene consegue levar à formação de novos neurónios em situações normais e de doenças, como as doenças relacionadas com o ‘stress’, onde os neurónios estão em menor número numa zona do córtex cerebral que se chama hipocampo.” Um exemplo de doença relacionada com o ‘stress’ é a depressão. “Mas várias outras doenças têm como consequência uma diminuição do número de neurónios no cérebro.”
15.09.2009  PÚBLICO

 

Especialistas de 12 países estudam influência da actividade téctonica e vulcânica na previsão de erupções 12 de Setembro de 2009

picoAçores

Cientistas de mais de uma dezena de países, incluindo alguns com vulcões muito activos, estão nos Açores para estudar a forma como a actividade tectónica e vulcânica pode influir nas previsões de erupções.

A Conferência Anual da Comissão Europeia de Sismologia vai decorrer durante a próxima semana no Convento de S. Pedro de Alcântara, no Pico, com a presença de 35 cientistas de 12 países.

“A presença de cientistas de países com vulcões altamente activos, com larga experiência na sua monitorização, é uma garantia da importância deste encontro”, salientou Zilda França, da Universidade dos Açores, em declarações à Lusa. (more…)

 

Em 2050 as plantas começarão a florir ainda no Inverno 10 de Setembro de 2009

PrimaveraNovo estudo prevê chegada da Primavera um mês antes

Dentro de 40 anos, o Inverno vai deixar de ser branco. Pereiras e cerejeiras, ranúnculos e gerânios deverão começar a florir no final de Janeiro, quando a estação do frio ainda não terminou. Pelo menos oficialmente. Um novo estudo concluiu que em 2050, a Primavera vai chegar um mês mais cedo do que é tradicional.

Malcolm Clark, da Universidade Monash (Austrália), e Roy Thompson, da Universidade de Edimburgo, olharam com atenção para os registos das plantas dos Reais Jardins Botânicos de Edimburgo (RGBE) desde 1850 e para os registos meteorológicos relativos a Edimburgo desde 1775. O seu estudo, noticiado hoje pelo jornal “The Guardian”, conclui que o “calendário botânico” já mudou para inúmeras espécies de plantas da colecção do RGBE, recolhidas ao longo de 150 anos em vários pontos do globo. Hoje, as plantas estão a florescer mais cedo porque as temperaturas estão, lentamente, a aumentar. Em zonas marítimas, por cada aumento de 1 grau Célsius, as plantas podem florir 16 dias antes. A culpa, dizem, é da subida das temperaturas médias das águas dos oceanos. (more…)

 

Cientistas descobrem três novas espécies de coral no arquipélago das Galápagos

Filed under: 11ºAno,Notícias da Ciência — Prof. Cristina Vitória @ 10:59
Tags: , , ,

GalapagosBiodiversidade

 

Uma equipa de cientistas das universidades de Miami e de Southampton anunciou a descoberta de três novas espécies de corais no arquipélago das Galápagos, ao fim de um trabalho de três anos. A notícia foi publicada recentemente na revista “Galapagos Research”. 

A equipa, coordenada por Terry Dawson, da Universidade de Southampton, descobriu as espécies Pocillopora effusus, P. Inflata e a Pavona chiriquiensis.

Além destas três novas espécies, os investigadores encontraram a espécie Gardineroseris planulata que se acreditava extinta durante o fenómeno El Niño de 1997-1998. O trabalho de campo “redescobriu várias pequenas colónias, separadas, nas ilhas Darwin e Wolf”, explica um comunicado daquela universidade.

O projecto pretendeu apoiar o Governo do Equador na protecção dos recifes de coral das Galápagos, nomeadamente ao apresentar propostas sobre uma possível gestão sustentável, que não exclua actividades económicas como o turismo.

“Estes resultados podem melhorar muito o nosso conhecimento sobre o estado actual dos recifes das Galápagos e o seu valor para as comunidades locais. Isto abre a porta a novas medidas de conservação que protejam estes habitats valiosos”, comentou Dawson, no comunicado.

Os recifes de coral daquele arquipélago suportam centenas de espécies, muitas delas raras e endémicas. No entanto, a sua distribuição foi gravemente afectada por fenómenos climáticos extremos nos últimos 30 anos. Em 1982-1983, a passagem do El Niño causou uma redução da área de corais na ordem dos 95 por cento, salientam os autores do estudo. A causa foi a subida das temperaturas das águas.
10.09.2009 – PÚBLICO