BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Dormir menos de seis horas pode causar morte prematura 6 de Maio de 2010

Estender o sono por mais de nove horas também não é benéfico e pode indicar problemas de saúde.

Dormir regularmente menos de seis horas por noite pode causar morte prematura, mas sono a mais também causa problemas, segundo um estudo que afirma ter provas inequívocas dos danos para a saúde dos padrões de sono invulgares.

Investigadores ingleses e italianos analisaram dados de 16 estudos distintos da Europa, Estados Unidos e Ásia por mais de 25 anos, que cobriam mais de 1,3 milhões de pessoas e mais de cem mil mortes.

A conclusão é clara: quem dorme menos de seis horas por noite tem 12 por cento mais de probabilidade de ser vitima de morte prematura do que os que dormem regularmente seis a oito horas.

O estudo, publicado na revista científica Sleep, juntou uma equipa de investigadores da Universidade de Warwick e da Escola Médica da Universidade Federico II em Nápoles. (more…)

 

Investigação vem sustentar velha convicção: comer fora de horas faz mesmo engordar 4 de Setembro de 2009

Filed under: 9ºB,Notícias da Ciência — Prof. Cristina Vitória @ 16:53
Tags: , , , , , , ,

evr hamburguer 3Toda a nossa biologia está adaptada aos ciclos dia-noite de 24 horas

Adeus, petisco da meia-noite? Vetado o copinho de leite com chocolate acompanhado de umas bolachinhas que nos sabia tão bem durante as longas noites de Inverno, sentados em frente da televisão ou do computador? A acreditar nos resultados de um estudo ontem publicado on-line pela revista Obesity, reduzir o número de calorias e fazer exercício físico poderão não chegar para travar o aumento do peso; a hora a que comemos também pode ser importante.

Nada disto parece muito novo: já sabíamos que não convém comer muito ao jantar — e os nutricionistas alertam as pessoas em dieta para não comerem durante a noite. A novidade é que, pela primeira vez, a relação entre comer à noite e engordar foi cientificamente comprovada.

Somos animais diurnos e o nosso metabolismo é pautado pela alternância do dia e da noite. Fred Turek e os seus colegas da Universidade Northwestern, nos EUA, especialistas dos ritmos circadianos (os ritmos biológicos de 24 horas associados à alternância dia-noite neste planeta) tinham reparado que os trabalhadores nocturnos, que não podem deixar de fazer uma refeição a meio da noite, têm tendência para engordar. (more…)

 

A Seratonina 18 de Fevereiro de 2009

 

mind1mbmadness150imagesbrain11imagesmind11A serotonina é um neurotransmissor, isto é, uma molécula envolvida na comunicação entre as células do cérebro (neurónios). Ela é quimicamente representada pela 5-hidroxitriptamina (5-HT), sendo também frequentemente designada por este nome.

Esta comunicação é fundamental para a percepção e avaliação do meio que rodeia o ser humano, e para a capacidade de resposta aos estímulos ambientais. Apesar de serem poucos os neurónios no nosso cérebro com capacidade para produzir e libertar serotonina, existe um grande número de células que detectam esse neurotransmissor. Desse modo, a serotonina desempenha um importante papel no funcionamento do nosso sistema nervoso e existem numerosas patologias relacionadas com alterações na atividade desse neurotransmissor.

9877_seroittan3receptorsA serotonina parece ter funções diversas, como o controle da libertação de algumass hormonas e a regulação do ritmo cardíaco, do sono e do apetite, entre outras. Diversos fármacos que controlam a acção da serotonina como neurotransmissor são actualmente utilizados, ou estão a ser testados, em patologias como a ansiedade, depressão, obesidade, enxaqueca e esquizofrenia, entre outras. Drogas como o “ecstasy” e o LSD “mimetizam” alguns dos efeitos da serotonina em algumas células alvo.
Em geral, os indivíduos deprimidos têm níveis baixos de serotonina no sistema nervoso central. Neste caso, deve-se administrar inibidores da recaptação de serotonina pelos neurónios, como no caso de medicamentos à base de fluoxetina, ocasionando uma maior disponibilidade deste neurotransmissor na fenda sinaptica. Um certo número de alimentos, como banana, tomate, chocolate são ricos no precursor da serotonina, o triptofano.Outras acções como relações sexuais e apanhar sol fazem liberar serotonina.