BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Primeiro ninho de flamingos confirmado em Portugal 14 de Maio de 2010

Lagoa dos Salgados, no Algarve, foi local escolhido pela ave.

A Lagoa dos Salgados, um dos sítios mais importantes do Algarve para a conservação das aves, tem a partir de agora mais um motivo de interesse: foram observados flamingos a nidificar, estando neste momento a incubar os ovos. A registar-se o sucesso da reprodução, será o primeiro caso confirmado em Portugal de nidificação desta espécie emblemática, e mais um factor decisivo para a protecção da Lagoa dos Salgados.
O Flamingo (Phoenicopterus roseus), ave pernalta de cor rosa, é uma das espécies que mais chama a atenção aos observadores. A espécie chegou a estar ameaçada, mas um enorme esforço de conservação em vários países resultou na recuperação das populações, que agora embelezam lagoas, salinas, estuários ou sapais do Sul da Europa e do Norte de África. É uma ave relativamente comum no Inverno nas zonas húmidas litorais desde o estuário do Tejo até ao Algarve, no entanto só por uma vez foi registada a tentativa de nidificação no pais, nos sapais de Castro Marim, na década de 1980.

A Lagoa dos Salgados é uma lagoa costeira entre os concelhos de Albufeira e de Silves, e que até à data não tem nenhum estatuto de protecção legal. É no entanto um sítio de grande interesse, constantemente visitado por observadores de aves e turistas nacionais e estrangeiros, que não prescindem de uma visita a este local onde se podem observar dezenas de espécies de aves. (more…)

Anúncios
 

Sequenciado primeiro genoma de um anfíbio 30 de Abril de 2010

O genoma da primeira espécie de anfíbio foi sequenciado. A rã Xenopus tropicalis tem entre 20 e 21 mil genes, dos quais 1700 são análogos a genes humanos relacionados com doenças.

“Quando se analisa os segmentos do genoma do Xenopus está-se a olhar literalmente para estruturas que têm 360 milhões de anos de idade e eram parte do genoma do último ancestral comum de todas as aves, rãs, dinossauros e mamíferos que caminharam pela Terra”, disse em comunicado Uffe Hellsten, primeiro autor do artigo que vai ser publicado amanhã na revista Science.

O investigador que liderou o projecto trabalha no DOE Joint Genome Institute, na Califórnia. A ideia do projecto nasceu em 2002 e reuniu o trabalho de 24 instituições e 48 investigadores. Como em todas as outras ocasiões em que se sequenciou o genoma de um organismo, este é o primeiro passo para um estudo mais aprofundado da genética desta rã.

Foto: A X. tropicalis à esquerda e a X. laevis à direita, esta usada como teste de gravidez em 1940.

“Agora começa o trabalho a sério”, disse em comunicado Jacques Robert, investigador doutorado que trabalha no Centro Médico da Universidade de Rochester, em Nova Iorque, nos Estados Unidos. (more…)

 

Em 2050 as plantas começarão a florir ainda no Inverno 10 de Setembro de 2009

PrimaveraNovo estudo prevê chegada da Primavera um mês antes

Dentro de 40 anos, o Inverno vai deixar de ser branco. Pereiras e cerejeiras, ranúnculos e gerânios deverão começar a florir no final de Janeiro, quando a estação do frio ainda não terminou. Pelo menos oficialmente. Um novo estudo concluiu que em 2050, a Primavera vai chegar um mês mais cedo do que é tradicional.

Malcolm Clark, da Universidade Monash (Austrália), e Roy Thompson, da Universidade de Edimburgo, olharam com atenção para os registos das plantas dos Reais Jardins Botânicos de Edimburgo (RGBE) desde 1850 e para os registos meteorológicos relativos a Edimburgo desde 1775. O seu estudo, noticiado hoje pelo jornal “The Guardian”, conclui que o “calendário botânico” já mudou para inúmeras espécies de plantas da colecção do RGBE, recolhidas ao longo de 150 anos em vários pontos do globo. Hoje, as plantas estão a florescer mais cedo porque as temperaturas estão, lentamente, a aumentar. Em zonas marítimas, por cada aumento de 1 grau Célsius, as plantas podem florir 16 dias antes. A culpa, dizem, é da subida das temperaturas médias das águas dos oceanos. (more…)

 

As penas limitam o tamanho das aves? 17 de Junho de 2009

avesMais do que o peso que as impederia de levantar voo, o tamanho das aves parece estar relacionado com o tempo que demora uma muda de penas. É o que defende um artigo de especialistas do Burke Museum da Universidade de Washington publicado na revista PLoS Biology.

A primeira pergunta no comunicado divulgado ontem é: “Por que é que as aves não são maiores?”. O estudo norte-americano demonstra que a resposta está nas penas. À medida que vemos aumentar o tamanho de um animal o crescimento das penas não parece ser capaz de acompanhar o comprimento que seria necessário para um voo seguro, principalmente se tivermos em conta a necessidade de “manutenção” deste material. O que acontece é que as penas acabam por ficar “gastas” antes da esperada substituição. Não há tempo suficiente para esperar pela muda. Assim, é preciso adoptar diferentes estratégias de para diferentes tamanhos de aves. Até ao ponto em que já não há estratégia capaz de assegurar o voo.

Permanentemente expostas a raios ultravioleta e a decomposição de bactérias, as penas sofrem danos e, por isso, têm de ser substituídas com alguma periodicidade. As aves mais pequenas necessitam de um ou duas mudas anuais, durante as penas primárias (cerca de dez) fundamentais para o voo são substituídas sequencialmente, demorando cerca de três semanas cada uma. As espécies maiores recorrem a outras técnicas que podem implicar a substituição de todas as penas ao mesmo tempo ou uma grande parte delas e que envolvem um processo de dois ou mesmo três anos.

Os especialistas fizeram uma série de cálculos que incluem as variáveis do tamanho, comprimento das penas primárias e do peso da ave. Nas contas, tiveram em consideração o ritmo de crescimento das penas. Entre outras conclusões, dizem que seria necessário esperar até 56 dias para substituir um única pena primária numa ave de dez quilos. Detectadas algumas discrepâncias, os investigadores sublinham que para perceber as complexidades da engenharia de produção de penas será necessário estudar melhor a dinâmica e estrutura da zona de crescimentos destes preciosos instrumentos de voo.

Para já, os cisnes de 15 quilos serão os detentores do recorde de tamanho dos voadores. No entanto, ainda há memória de uma ave extinta que pesava aproximadamente 70 quilos chamada Argentavis que viveu na Argentina.

16.06.2009 – 14h49 PÚBLICO