BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Terra um Planeta com Vida 25 de Outubro de 2011

 

A Terra estará a viver a sexta extinção em massa por causa das alterações do clima 17 de Fevereiro de 2011

Qual vai ser o impacto das alterações climáticas na árvore da vida, no final do século XXI? Pela primeira vez, um artigo, publicado amanhã, quinta-feira, pela equipa do biólogo Miguel Araújo na revista Nature, avaliou os efeitos das alterações do clima na árvore da vida. A Terra pode estar a viver a sexta extinção em massa, desta vez pela mão humana, se não forem travadas as emissões de gases com efeito de estufa.

Já houve cinco momentos de desaparecimento maciço de biodiversidade, causados por fenómenos geológicos catastróficos — como a colisão de um asteróide com a Terra há 65 milhões de anos, que ficou famosa porque, entre os desaparecidos, estavam os dinossauros. Agora, devido às alterações do clima pela acção humana, há a tese de que a Terra estará a viver a sexta extinção em massa.

Mas uma vaga de desaparecimentos tem de cumprir quatro condições para ser uma extinção em massa, explica Miguel Araújo, coordenador do pólo na Universidade de Évora do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos: tem de ocorrer de forma generalizada em todo o mundo; num período de tempo geológico curto; envolver grandes quantidades de espécies; e afectar espécies de um leque vasto de grupos biológicos. (more…)

 

Gases com efeito de estufa suspendem ciclo natural de arrefecimento do Árctico 5 de Setembro de 2009

arrefecimento articoEstudo publicado na revista “Science”

Os gases com efeito de estufa trocaram as voltas ao Árctico e empurraram as suas temperaturas para os níveis mais altos dos últimos dois mil anos, suspendendo um ciclo natural de arrefecimento que deveria ter durado mais quatro mil, segundo um estudo internacional publicado hoje na revista “Science”.

A equipa de cientistas, financiada pela National Science Foundation, estudou as temperaturas sentidas nos últimos dois mil anos daquela região. Até agora apenas existiam dados relativos aos últimos 400 anos. Para isso analisou os sedimentos acumulados em cerca de 20 lagos, os anéis das árvores e os gelos. Estas informações eram tão detalhadas que foi possível reconstruir as temperaturas passadas década por década. Os resultados poderão acicatar o debate entre cépticos e não cépticos das alterações climáticas.

A poluição libertada pela acção humana pôs um fim ao ciclo de arrefecimento que começou há oito mil anos, quando o eixo de rotação da Terra sofreu uma oscilação que a distanciou do Sol. O Árctico passou, então, a receber menos energia solar durante o Verão. As temperaturas do Árctico durante esse período desceram a uma média de 0,2 graus Célsius por século. (more…)

 

Modelos climáticos deixam de fora metano libertado pelos oceanos 9 de Julho de 2009

alteraçõesAté agora, a contribuição do metano oceânico para o efeito de estufa tem sido grandemente subestimada e não foi incluída nos modelos climáticos internacionais, alerta um estudo publicado ontem na revista especializada “Nature Geoscience”.

Os cientistas da Universidade de San Diego, coordenados por Evan A. Solomon, estudaram seis locais do Golfo do México onde o metano é libertado por “chaminés de gás” na placa oceânica, a 500 ou 600 metros de profundidade. A emissão para a atmosfera destas bolhas de metano será “considerável”.

Contra o que seria de esperar, as bolhas emitidas a estas profundidades atingem as águas à superfície e o metano que contêm escapa para a atmosfera.

Graças a um robô submersível, os investigadores recolheram amostras de água de 20 em 20 metros numa coluna de água nas proximidades daquelas “chaminés de gás” e analisaram a concentração de metano. Máxima à saída das chaminés, a concentração em metano diminui rapidamente, antes de aumentar de novo à superfície.

A partir das concentrações de metano nas águas à superfície, os investigadores calcularam a velocidade da difusão de metano na atmosfera. E encontraram valores dez a dez mil vezes superiores às estimativas anteriores. Até agora pensava-se que as bolhas emitidas a mais de 200 metros de profundidade não chegavam à superfície.

Os investigadores consideram que estes resultados “salientam a importância das chaminés de gás como fonte de metano atmosférico”, uma fonte subestimada nas previsões climáticas actuais.

O estudo de outras bacias ricas em hidrocarbonetos – como o Golfo Pérsico ou o Mar Cáspio – deverá confirmar estes resultados.

O metano é um gás com efeito de estufa muitas vezes subestimado mas mais potente que o dióxido de carbono (CO2). Num período de cem anos, o seu potencial de aquecimento global é 25 vezes maior do que o do CO2.
06.07.2009 – PÚBLICO

 

Cientistas voltam a insistir no “risco acrescido” de alterações climáticas “irreversíveis” 19 de Junho de 2009

climaNecessidade de reduzir significativamente as emissões de GEE
A humanidade será confrontada com um “risco acrescido” de alterações climáticas “abruptas e irreversíveis” se não conseguir reduzir, significativamente, as suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE), alertou hoje um relatório de síntese redigido por 12 cientistas, a partir da reunião de dois mil investigadores de 80 países, que estiveram reunidos em Março em Copenhaga.

“As observações recentes mostram que numerosos aspectos do clima estão perto do limite máximo das projecções do IPCC (Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas)”, indica este relatório, publicado a seis meses da conferência de Copenhaga, em Dezembro. Daqui deverá sair o sucessor do Protocolo de Quioto, que expira em 2012.

Aumento da temperatura média à superfície da Terra, degelo dos glaciares, subida do nível dos mares, acidificação dos oceanos: numerosos indicadores climáticos já se situam para lá das flutuações naturais nas quais se desenvolveram as sociedades contemporâneas, notam os cientistas.

“Se as emissões não forem controladas, numerosas tendências vão, provavelmente, acelerar, provocando um risco acrescido de alterações climáticas abruptas e irreversíveis”, salienta este documento.

Os especialistas do clima lembram que “uma das evoluções mais espectaculares” desde o último relatório do IPCC, publicado em 2007, é a rápida redução dos gelos à superfície do oceano Árctico, no final de cada Verão.

Mas se o relatório salienta a urgência de uma redução das emissões de GEE, criticando as metas fracas para 2020, não toma posição sobre os compromissos já fixados durante a negociação mundial em curso.

Os objectivos para 2020 anunciados até agora pelos grandes países industrializados representam uma redução total de emissões na ordem dos oito a 14 por cento, a níveis de 1990. No entanto, a comunidade científica recomenda uma redução de 25 a 40 por cento para limitar o aumento das temperaturas do planeta nos 2ºC.

 18.06.2009   PÚBLICO