BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Nascemos para a música 19 de Março de 2013

ng1335705_435x200Os sons musicais seduzem-nos e agem sobre nós como uma droga. A relação entre a música e o cérebro é complexa e vai ser estudada em Maio, num simpósio em Lisboa.

Há meia dúzia de anos, a brasileira Lovefoxxx (nome de guerra de Luísa Matsushita), da banda Cansei de Ser Sexy, declarava: «From all the drugs the one I like more is music [de todas as drogas, a música é a de que eu gosto mais]». Esta canção foi um dos grandes êxitos da banda de São Paulo, que teve fama mundial e existência efémera. E nem por acaso se chamava ‘Music is my hot hot sex’.

E não é que tinha razão? Em laboratório, Robert Zatorre, da Universidade McGill (Canadá), já demonstrou que a música chega ao nosso cérebro como uma droga. A culpa é da dopamina, diz o investigador canadiano. É através da libertação desta substância que se produzem, no cérebro, sensações gratificantes, agradáveis, como as causadas por uma boa refeição ou até por drogas psicoactivas. Isso mesmo, drogas. E tal como elas – e aqui entra a parte da intuição científica de Lovefoxxx – pode causar ‘dependência’.

O tema já é estudado há anos e será um de muitos a abordar num simpósio que se vai realizar em Lisboa a 25 de Maio, ‘Music, Poetry and the Brain’ (a Música, a Poesia e o Cérebro, o programa pode ser consultado em http://www.musicpoetrybraim.com), na reitoria da Universidade Nova de Lisboa (UNL). Entre os coordenadores do programa estão o próprio Zatorre e Armando Sena, da Faculdade de Ciências Médicas da UNL. Além deles – Sena apresenta a comunicação ‘Wagner e a Ciência’, a propósito do pensamento do compositor alemão sobre a música e a sua relação com a poesia – poderemos contar, por exemplo, com António Damásio e grandes investigadores da neurociência da música, como Daniele Schön ou Timothy Griffiths, entre outros. (more…)

 

VS Ramachandran: Os neurónios que moldaram a civilização 16 de Fevereiro de 2013

O neuro-cientista Vilayanur Ramachandran delineia as fascinantes funções dos neurónios-espelho. Descobertos recentemente, esses neurónios nos permitem aprender comportamentos sociais complexos, alguns dos quais constituíram os fundamentos da civilização humana como nós a conhecemos.

 

Sistema Nervoso 4 de Fevereiro de 2013

Filed under: 9ºAno — Prof. Cristina Vitória @ 14:56
Tags: , , , , , , ,

Cá estão as apresentações sobre o Sistema Nervoso para vocês:

 

Cientistas revelam a surpreendente simplicidade da geometria cerebral 30 de Março de 2012

Resultados publicados esta sexta-feira na Science – O cérebro humano é o objecto mais complexo que conhecemos, mas a organização das suas ligações nervosas é das coisas mais simples que se possa imaginar.

Basta olhar para a imagem que ilustra esta notícia para perceber do que se trata. Elas revelam que, ao contrário do que se poderia pensar, a arquitectura das ligações nervosas no cérebro não tem nada a ver com um emaranhado sem nexo de esparguete — e tudo a ver com a malha, muito bem organizada e estruturada, de um tecido acabado de sair do tear. Esta sexta-feira, na revista Science, Van Wedeen, da Universidade de Harvard, e colegas publicam estas espectaculares visualizações do cérebro (humano e de vários primatas) e explicam como chegaram à surpreendente conclusão de que a arquitectura dos circuitos nervosos, que define a geometria subjacente do cérebro adulto, é uma simples retícula 3D, com todas as fibras projectadas pelos neurónios a entrecruzarem-se em ângulo recto numa das três dimensões do espaço.

“O nosso objectivo era mapear a arquitectura das fibras cerebrais”, explica Wedeen num podcast no site da revista. “Dada uma ligação, por onde é que ela passa na sua vizinhança imediata? Descobrimos que essa organização não podia ser mais simples.” As fibras formam superfícies curvas onde pacotes de fibras paralelas (more…)

 

Reprodução em flores usa sistema de comunicação que existe nos neurónios 18 de Março de 2011

             Descoberta inédita em plantas publicada na Science.

O tubo polínico tem as mesmas características de certas leveduras e fungos filamentosos que crescem só numa direcção. Têm que ter “um tipo de crescimento muito rápido e precisam constantemente de informação do ambiente para saber se viram para a esquerda ou se continuam em frente”, disse ao PÚBLICO José Feijó, líder da equipa responsável pelo estudo.

O tubo polínico carrega ao longo do pistilo, o órgão reprodutor da planta, o núcleo que vai fecundar o óvulo e formar as sementes. Para isso tem que crescer, ou seja, produzir constantemente a parede de celulose que reveste todas as células vegetais. Há vários sinais e substâncias que intervêm neste crescimento e que a equipa do IGC tem vindo a estudar. Um deles é o ião de cálcio, que tem oscilações de concentração dentro da célula. Não se sabe “porquê é que estes padrões do cálcio são importantes na fisiologia das células”, explicou o cientista. O certo é que acontece em muitos processos celulares de diferentes organismos. (more…)

 

Como o pénis perdeu as espinhas e o que mudou por isso 10 de Março de 2011

Estudo sobre evolução humana – O que faz com que os seres humanos tenham um aspecto distinto, tão facilmente identificável por outro ser humano? O segredo, estão os cientistas a descobrir, está na regulação da actividade dos genes, tal como um cozinheiro põe mais ou menos pimenta. Hoje, uma equipa relata na revista Nature ter identificado centenas de eventos moleculares com impacto na evolução humana. Entre eles, o que fez com que desaparecessem as espinhas queratinosas do pénis nos humanos.

A equipa de Gill Bejerano e David Kingsley, da Universidade de Stanford (EUA) beneficiou da última década de avanços da sequenciação genómica, que oferece já um leque vasto de espécies cujos genomas podem ser comparados. “A tecnologia permite-nos comparar os genomas de humanos e outros mamíferos e procurar o que nos torna únicos”, comentou Philip Reno, da Universidade da Pensilvânia, um dos autores do trabalho, citado num comunicado. “E podemos relacionar essa informação com características físicas humanas específicas.”

Usando a genómica comparativa, a equipa identificou 510 sequências genéticas muito conservadas em todas as espécies de mamíferos, inclusivamente nos chimpanzés (os nossos parentes mais próximos), mas que estão ausentes no genoma humano. São sequências de ADN que, se forem encaradas como palavras, escrevem instruções regulatórias, que influenciam a actividade dos genes. (more…)

 

Genes e circuitos cerebrais influenciam escolha da comida 14 de Maio de 2010

Investigador português recorreu à mosca do vinagre para realizar investigação.

Tal como os humanos ou qualquer outro ser vivo, a mosca do vinagre também tem “preocupações” para fazer uma alimentação equilibrada, mas até agora não se conheciam os factores envolvidos neste processo. O português Carlos Ribeiro, investigador principal no Programa de Neurociências da Fundação Champalimaud, juntamente com Barry J. Dickson, do Research Institute of Molecular Pathology, em Viena (Áustria), resolveu esta incógnita e identificou, pela primeira vez, os genes e circuitos cerebrais envolvidos no decurso desta decisão.

O estudo publicado agora na revista científica «Current Biology» foi efectuado em Drosophila melanogaster, mosca do vinagre, e abre portas para que se compreenda também como outros organismos escolhem as suas fontes de alimento, desde os mosquitos portadores do parasita da malária aos humanos.

Os investigadores usaram um ensaio simples para identificarem o tipo de alimentação que as moscas preferem. À comida enriquecida com proteínas, que contém leveduras, foi adicionado um corante azul, enquanto a que não tem leveduras foi «pintada» de encarnado. Pela simples observação da cor das barrigas das moscas, puderam, então, saber que alimentos ingeriram.

Depois de terem observado os hábitos alimentares da Drosophila ao longo de várias semanas, descobriram que a mosca do vinagre opta por diferentes fontes de alimentação, consoante as suas necessidades nutricionais, sexo e estado de acasalamento. “Normalmente, quando as moscas estão num ambiente com comida ‘completa’, ou seja, com açúcares e leveduras, e se lhes for dada a possibilidade de escolha, estas não comem a comida com proteínas”, explicou, acrescentando que se as moscas forem privadas de proteínas durante um determinado período de tempo, acabam por escolher alimentos com este nutriente.

Fêmeas mais rápidas do que machos

As moscas fêmeas são capazes de mudar de dieta mais rapidamente do que os machos, da mesma forma que as fêmeas que tenham acasalado são também mais rápidas nessa tarefa do que aquelas que são virgens.

De acordo com o investigador português, os resultados e os métodos genéticos experimentais disponíveis na mosca do vinagre permitiram “descrever as moléculas e neurónios que fazem com que as fêmeas que já tenham acasalado reajam mais depressa do que as virgens”. Além disso, foram identificadas as moléculas usados no cérebro das moscas para detectar a falta de proteínas e que fazem com que estas mudem as suas decisões, “o que se pode vulgarmente denominar como o sensor”. (more…)