BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Estudo revela novos dados sobre a lula gigante 20 de Março de 2013

Até agora tinham sido descritas 21 espécies. Mas afinal haverá apenas uma, segundo uma análise genética a amostras de todo o mundo.

743275

Há cerca de um século e meio, em 1857, bastaram algumas ventosas, um bico e outros fragmentos encontrados numa praia para que o cientista dinamarquês Japetus Steenstrup atribuísse um nome científico à mítica lula gigante. Agora, cientistas desceram ao nível das células e olharam para os genes do animal para concluir que, a despeito de muitas descrições feitas desde então, afinal há só uma espécie no mundo todo.

É este o principal resultado de um estudo publicado esta quarta-feira na revista Proceedings of the Royal Society B, liderada por investigadores da Universidade de Copenhaga – entre eles uma portuguesa.

É a primeira vez que as lulas gigantes são alvo de uma análise genética comparativa. “Até hoje, não havia nenhum trabalho porque havia poucas amostras”, afirma Paula Campos, do Centro para a Geogenética, do Museu de História Natural da Dinamarca, ligado à Universidade de Copenhaga. (more…)

Anúncios
 

Terra um Planeta com Vida 25 de Outubro de 2011

 

Fungo da floresta brasileira transforma formigas em zombies 30 de Março de 2011

Na floresta tropical brasileira foi descoberto um fungo que, não tendo corpo próprio, aluga o de uma formiga, cuja mente passa a controlar, transformando-a numa formiga-zombie.

De acordo com a versão online da National Geographic, os cientistas anunciaram, nesta quarta-feira, a descoberta de quatro tipos desta espécie de Ophiocordyceps unilateralis.

Estes fungos alienígenas infectam a formiga e tomam controlo do seu cérebro. Têm como para objectivo movê-la até uma localização ideal onde possam crescer e espalhar os seus esporos, uma vez atingido esse objectivo a formiga é assassinada.

As quatro espécies agora identificadas usam diferentes técnicas para espalharem os seus esporos depois de infectarem a formiga. Enquanto umas se espalham saindo através do cadáver, outras desenvolveram esporos que explodem e quando outras formigas passam atingem-nas, transformando-as em zombies.

Jornal Sol 25/03/11

 

Registada existência de lontras no Estuário do Douro 7 de Fevereiro de 2011

Pela primeira vez, uma lontra foi fotografada na Reserva Natural Local do Estuário do Douro, em Gaia, o que significa que a população desta espécie «é mais abundante do que se pensava».

O director da empresa municipal Parque Biológico de Gaia, Nuno Oliveira, afirmou hoje que «a fotografia foi tirada por um guarda de uma obra, a decorrer no Canidelo, através do telemóvel, mas não oferece dúvidas de que se trata de uma lontra».

Nuno Oliveira referiu que a lontra estava a passar do rio para os campos quando foi fotografada.

Questionado se a lontra vive bem com a poluição, Nuno Oliveira respondeu que a espécie «aguenta bem alguma poluição» e, ali no estuário, «tem muita oferta de alimento». (more…)

 

População mundial de 300 mil Bisbis concentrada nas florestas da Madeira 30 de Julho de 2009

BisbiPrimeiro estudo sobre espécie de ave Regulus madeirensis descoberta em 2007

A ilha da Madeira é todo o território mundial do pequeno e irrequieto Bisbi Regulus madeirensis, ave com um peso médio de seis gramas descoberta em 2007. Hoje, a Spea (Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves) revelou que existem cerca de 300 mil indivíduos nas florestas da ilha, de acordo com os resultados do primeiro estudo realizado sobre a espécie.
29.07.2009 PÚBLICO

Tons de laranja, verde, cinzento, preto e branco pintam esta ave que, até 2007, era considerada a sub-espécie madeirense da estrelinha (Regulus ignicapilus), ave que ocorre em quase todo o continente europeu.

(more…)

 

Só com guerras e muita gente é que ficámos “humanos” 8 de Junho de 2009

429px-Pech_Merle_mainAparentemente não foi a genética que proporcionou por si o comportamento humano moderno. Se não houvesse conflitos entre os grupos de caçadores recolectores e se a população de humanos anatomicamente modernos não aumentasse, seria difícil a manutenção do altruísmo e a aprendizagem de todos os aspectos culturais e simbólicos que nos tornam únicos, adiantam dois artigos publicados hoje na Science.

Fazendo as contas, levou no mínimo 70 mil anos até que pessoas com anatomia igual à nossa começassem a ter um comportamento moderno, “um salto radical na complexidade tecnológica e cultural, que torna a nossa espécie única”, explica Adam Powell, autor de um dos artigos. “Isto inclui um comportamento simbólico como a arte abstracta e realista, instrumentos musicais, artefactos de marfim,” explicou o investigador da University College London.

Os primeiros testemunhos desse comportamento aparecem na África subsaariana há 90 mil anos — no continente de origem da humanidade. Perderam-se na mesma região há 65 mil anos, encontraram-se na Europa há 45 mil — pouco tempo depois destas populações chegarem cá—, recuperam-se em África há 40 mil anos e foram surgindo pelo Médio Oriente, Ásia e Austrália.

A investigação relaciona este desenvolvimento cultural com a demografia. Os modelos mostram que sem um certo número de pessoas, é impossível haver passagem do conhecimento sem a sua degeneração e é difícil que as inovações sejam aproveitadas e se mantenham nas populações. O estudo bate certo com o número de pessoas que se estima terem existido em África, Europa e Médio Oriente quando se deu a mudança cultural.

Por outro lado, Samuel Bowels, da Universidade de Siena em Itália, mostra no segundo artigo a importância dos conflitos entre estas populações para a manutenção genética dos comportamentos de altruísmo.

O altruísmo melhorava a produção e cooperação num grupo, além de proporcionar um número de pessoas prontas para combater. O resultado seria uma população mais capaz, com maior probabilidade de ganhar conflitos e ter mais descendência.

04.06.2009 – 22h02  Público

 

Dia Internacional da Biodiversidade 22 de Maio de 2009

biodiversityHoje 22 de Maio é o dia internacional da biodiversidade. A biodiversidade é o termo utilizado para definir a variabilidade de organismos vivos, flora, fauna, fungos macroscópicos e microorganismos, abrangendo a diversidade de genes e de populações de uma espécie, a diversidade de espécies, a diversidade de interações entre espécies e a diversidade de ecossistemas.

Mais claramente falando, diversidade biológica, ou biodiversidade, refere-se à variedade de vida no planeta terra, incluindo a variedade genética dentro das populações e espécies, a variedade de espécies da flora, da fauna e de microrganismos, a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, hábitats e ecossistemas formados pelos organismos.

Vamos ser activistas na defesa do ambiente ajudando a preservar a Biodiversidade.

Informa-te das espécies em risco. Consulta este link: http://www.wwf.pt/

Já construíste a tua baleia? Acede ao link: http://www.send-a-whale.com/sendawhale/landing.php