BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Somos 7 Milhões 2 de Novembro de 2011

Danica foi a habitante 7 mil milhões. E você, que número foi? Descubra aqui.

Danica May Machado, uma bebé filipina, foi escolhida pela ONU para simbolizar a passagem da população para os 7 mil milhões de habitantes.

O jornal Veja publicou na segunda-feira uma infografia que mostra, a partir da data de nascimento, o nosso “número” de habitante global aquando do nosso nascimento. É um exercício interessante e que lhe deixo aqui.

Calcule o seu “número” de habitante global.

2/11/11 In Greensavers

Anúncios
 

Terra um Planeta com Vida 25 de Outubro de 2011

 

Abraçar Sustentabilidade 5 de Junho de 2011

 

Só com guerras e muita gente é que ficámos “humanos” 8 de Junho de 2009

429px-Pech_Merle_mainAparentemente não foi a genética que proporcionou por si o comportamento humano moderno. Se não houvesse conflitos entre os grupos de caçadores recolectores e se a população de humanos anatomicamente modernos não aumentasse, seria difícil a manutenção do altruísmo e a aprendizagem de todos os aspectos culturais e simbólicos que nos tornam únicos, adiantam dois artigos publicados hoje na Science.

Fazendo as contas, levou no mínimo 70 mil anos até que pessoas com anatomia igual à nossa começassem a ter um comportamento moderno, “um salto radical na complexidade tecnológica e cultural, que torna a nossa espécie única”, explica Adam Powell, autor de um dos artigos. “Isto inclui um comportamento simbólico como a arte abstracta e realista, instrumentos musicais, artefactos de marfim,” explicou o investigador da University College London.

Os primeiros testemunhos desse comportamento aparecem na África subsaariana há 90 mil anos — no continente de origem da humanidade. Perderam-se na mesma região há 65 mil anos, encontraram-se na Europa há 45 mil — pouco tempo depois destas populações chegarem cá—, recuperam-se em África há 40 mil anos e foram surgindo pelo Médio Oriente, Ásia e Austrália.

A investigação relaciona este desenvolvimento cultural com a demografia. Os modelos mostram que sem um certo número de pessoas, é impossível haver passagem do conhecimento sem a sua degeneração e é difícil que as inovações sejam aproveitadas e se mantenham nas populações. O estudo bate certo com o número de pessoas que se estima terem existido em África, Europa e Médio Oriente quando se deu a mudança cultural.

Por outro lado, Samuel Bowels, da Universidade de Siena em Itália, mostra no segundo artigo a importância dos conflitos entre estas populações para a manutenção genética dos comportamentos de altruísmo.

O altruísmo melhorava a produção e cooperação num grupo, além de proporcionar um número de pessoas prontas para combater. O resultado seria uma população mais capaz, com maior probabilidade de ganhar conflitos e ter mais descendência.

04.06.2009 – 22h02  Público