BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Exercícios de Genética 8 de Janeiro de 2013

Filed under: 9ºAno — Prof. Cristina Vitória @ 16:49
Tags: , , ,

Cá estão os exercícios de genética. Divirtam-se!

exercicios_genetica

Anúncios
 

Homem do Gelo tinha olhos castanhos, tez branca e intolerância à lactose 1 de Março de 2012

A múmia mais completa de sempre, encontrada em 1991, nos Alpes italianos, continua a ser uma fonte de informação. Agora foram reveladas as conclusões da análise genética do seu ADN. Ötzi teria olhos castanhos e pele branca, era intolerante à lactose e tinha disposição genética para ter problemas cardíacos, revela o estudo publicado nesta terça-feira na revista Nature Communications.

A história deste representante do neolítico, que morreu há 5300 anos, por motivos mais ou menos misteriosos, mas que envolveram certamente uma seta que carrega no ombro esquerdo e um corte na mão direita, é rica em detalhes conhecidos nos últimos 20 anos.
Em 1991, um casal de alpinistas alemão encontrou no Vale Ötzal, a 3120 metros de altura, um corpo mumificado, que estava protegido há milénios da deterioração pelo frio, pela escuridão e pelo gelo. O Homem do Gelo foi encontrado e descrito.
Como múmia, Ötzi é mais completo do que os faraós egípcios, pois continua a ter todos os órgãos, que nos faraós foram retirados. Tinha 1,59 metros, pesava em vida 50 quilos e quando morreu teria cerca de 46 anos. Vestia couro de cabra e tinha se alimentado, recentemente, de carne de veado e cabra. (more…)

 

O homem visto pelo ADN. A evolução tirou-nos os bigodes sensoriais e deu-nos cérebros grandes 10 de Março de 2011

Porque é que não somos chimpanzés, se partilhamos 95% do ADN? Finalmente a ciência começa a dar respostas.
Se sempre achou que o homem havia de ter mais qualquer coisinha do que um chimpanzé para ter chegado onde chegou – passem-se as interrogações próprias das crises que vamos vivendo – está enganado. Um estudo publicado ontem na revista “Nature” dá a resposta mais pormenorizada dos últimos anos e, à luz dos avanços da genética, sobre o que faz de nós humanos.
Investigadores da Universidade de Stanford, nos EUA, defendem que a resposta não parece estar no que temos a mais, mas no que não temos. Uma primeira análise comparativa entre o genoma humano, o dos chimpanzés e o dos ratinhos revelou 510 segmentos de ADN que só já não existem no homem (entenda-se que também já não existiam nos Neandertais, há 500 mil anos). Os investigadores conseguiram associar as diferenças a atributos bem humanos, como cérebros grandes, e à perda de outros considerados mais primários, como os pénis espinhosos e os bigodes sensoriais.
 A investigação mostra que os genes, que partilhamos com animais tão diferentes como a mosca ou o chimpanzé, não parecem ser a chave das diferenças evolutivas mas sim as chamadas zonas regulatórias do ADN, que ditam quando e como é que os genes são codificados. Hoje sabe-se que os genes, que nos humanos são entre 20 mil e 25 mil, representam apenas 2% do genoma, o manual de instruções de um organismo. Ou seja, o segredo pode não estar nos ingredientes mas nos passos que a evolução foi retirando à receita da vida. (more…)
 

Só com guerras e muita gente é que ficámos “humanos” 8 de Junho de 2009

429px-Pech_Merle_mainAparentemente não foi a genética que proporcionou por si o comportamento humano moderno. Se não houvesse conflitos entre os grupos de caçadores recolectores e se a população de humanos anatomicamente modernos não aumentasse, seria difícil a manutenção do altruísmo e a aprendizagem de todos os aspectos culturais e simbólicos que nos tornam únicos, adiantam dois artigos publicados hoje na Science.

Fazendo as contas, levou no mínimo 70 mil anos até que pessoas com anatomia igual à nossa começassem a ter um comportamento moderno, “um salto radical na complexidade tecnológica e cultural, que torna a nossa espécie única”, explica Adam Powell, autor de um dos artigos. “Isto inclui um comportamento simbólico como a arte abstracta e realista, instrumentos musicais, artefactos de marfim,” explicou o investigador da University College London.

Os primeiros testemunhos desse comportamento aparecem na África subsaariana há 90 mil anos — no continente de origem da humanidade. Perderam-se na mesma região há 65 mil anos, encontraram-se na Europa há 45 mil — pouco tempo depois destas populações chegarem cá—, recuperam-se em África há 40 mil anos e foram surgindo pelo Médio Oriente, Ásia e Austrália.

A investigação relaciona este desenvolvimento cultural com a demografia. Os modelos mostram que sem um certo número de pessoas, é impossível haver passagem do conhecimento sem a sua degeneração e é difícil que as inovações sejam aproveitadas e se mantenham nas populações. O estudo bate certo com o número de pessoas que se estima terem existido em África, Europa e Médio Oriente quando se deu a mudança cultural.

Por outro lado, Samuel Bowels, da Universidade de Siena em Itália, mostra no segundo artigo a importância dos conflitos entre estas populações para a manutenção genética dos comportamentos de altruísmo.

O altruísmo melhorava a produção e cooperação num grupo, além de proporcionar um número de pessoas prontas para combater. O resultado seria uma população mais capaz, com maior probabilidade de ganhar conflitos e ter mais descendência.

04.06.2009 – 22h02  Público

 

Genética comprova identidade de irmãos Romanov 28 de Abril de 2009

romanov4Os Romanov foram os últimos de uma dinastia com mais de 300 anos.

O último mistério da família real russa esfumou-se. Testes genéticos confirmaram que as ossadas identificadas em 2007 pertencem aos dois filhos que faltavam encontrar do último czar da Rússia, Nicolau II. A investigação foi feita por uma equipa de várias nacionalidades e o artigo foi hoje publicado no site online da revista científica Public Library of Science ONE.

A família real Russa foi executada pelos bolcheviques depois da revolução de 1917, quando Nicolau II já tinha abdicado do trono. O czar, a mulher Alexandra, os cinco filhos: Maria, Tatiana, Anastasia, Olga e Alexei – o filho mais novo e herdeiro do trono – estavam nos montes Urais, em Iekaterinburg e foram executados a tiro a 17 de Julho de 1918, por um esquadrão na cave da casa de um comerciante.

O destino dos corpos manteve-se desconhecido durante as décadas seguintes, o que perpetuou a história de que alguns dos filhos teriam conseguido fugir, permitindo que várias pessoas alegassem ser os descendentes da família. Em 1970 foram descobertas as ossadas da família, mas o achado permaneceu escondido até à queda da União Soviética.

Só em 1991 é que as ossadas começaram a ser estudadas, mas os testes genéticos mostraram que os restos mortais só pertenciam ao casal e a três filhos, faltando encontrar Alexei e uma das quatro irmãs. Em 1998, os ossos foram enterrados na Catedral de S. Pedro e S. Paulo, em São Petersburgo, e a Igreja Ortodoxa Russa canonizou toda a família real, com o argumento de que tinham “passado grande sofrimento com abnegação, paciência e humildade”.

Durante quase dez anos manteve-se a dúvida sobre o que teria acontecido aos dois filhos do czar. Mas em 2007, a menos de 100 metros das primeiras ossadas, encontraram-se 44 ossos que seriam de dois indivíduos. As primeiras investigações revelaram que os ossos pertenciam a dois jovens, uma adolescente entre os 17 e os 19 anos e um rapaz entre os 12 e os 15 anos, o que correspondia a uma das irmãs (Anastasia ou Maria) e a Alexei. No entanto, desde 2007 que se esperava pelos testes genéticos para confirmar a verdadeira identidade.

Os testes compararam o ADN das ossadas dos dois indivíduos com o do resto da família e ainda com o ADN do irmão de Nicolau II, que morreu de tuberculose quando era jovem. Por outro lado, através de pequenas amostras, foram capazes de comparar o material cromossómico de toda a família com o ADN do sangue de Nicolau II, que ficou conservado numa camisa que usou em 29 de Abril de 1891, quando foi atacado por um polícia japonês, na cidade de Otsu. A camisa ficou na Rússia até aos nossos dias.

Os resultados foram perfeitos. “As provas genéticas são realmente arrebatadoras”, disse o norte-americano Michael Coble e primeiro autor do artigo, citado pelo jornal “Los Angeles Times”. A informação foi replicada independentemente noutros laboratórios e confirmou-se.

Em Maio, os responsáveis pelo estudo vão apresentar as provas à igreja Russa Ortodoxa. Os Romanov não tinham sido enterrados como realeza, e espera-se que a investigação comprove que o destino da família real está, para sempre, esclarecido.
11.03.2009 – PÚBLICO.PT

 

Como é a variabilidade nos seres vivos ? 17 de Novembro de 2008

Filed under: 9ºB — Prof. Cristina Vitória @ 13:16
Tags: , , ,

milho
A variabilidade dos seres vivos (cor do cabelo e dos olhos, estatura, etc.) é garantida pelo sistema reprodutor/reprodução, que assegura a transmissão dos genes e/ou pelo ambiente e estilos de vida (interacção com o ambiente).

Caracteres hereditários – características determinadas pelos genes, e que podem ser transmitidas de geração em geração (herdadas).

Hereditariedade – conjunto de processos biológicos que asseguram a transmissão dos caracteres hereditários.