BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Gripe A 26 de Novembro de 2009

Filed under: 11ºAno,9ºAno,9ºB — Prof. Cristina Vitória @ 10:38
Tags: ,

 

Ora, dado que o frio começa a chegar em força, surge também a possibilidade das constipações.

Estes dois desdobráveis evidenciam um conjunto de medidas de prevenção contra a Gripe A que todos podemos e devemos seguir, pela nossa saúde e dos outros.

Divulga-a entre os teus familiares. Podes obter os desdobráveis em PDF aqui:conselhos-gripe-a conselhos-gripe-a_final

 

Anúncios
 

Prevenir a Gripe A 2 de Setembro de 2009

Filed under: 11ºAno,9ºB — Prof. Cristina Vitória @ 22:54
Tags: , ,

 

Diferenças entre os sintomas da gripe comum e da gripe A 20 de Julho de 2009

Filed under: Notícias da Ciência — Prof. Cristina Vitória @ 21:08
Tags: , ,

gripe A

 

42 PERGUNTAS ACERCA DO VÍRUS H1N1 “GRIPE HUMANA A” 9 de Julho de 2009

Respostas que foi dada pelos médicos do Centro Epidemiológico. 

 

Director Geral do Centro Epidemiológico: Dr. Alejandro Macías
Director de Nutrição: Dr. Zubirán

PERGUNTAS E RESPOSTAS:

1.- P: Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa massaneta de porta ou numa superfície lisa? R: Até 10 horas.

2. –P: Que utilidade tem o gel de álcool para limpar as mãos?  R: Torna inactivo o vírus e mata-o.

3.- P: Qual é o meio de contágio mais eficiente deste vírus? R: A via aérea não é a mais efectiva para a transmissão do vírus, o factor mais importante para a  fixação do vírus é a humidade (mucosa do nariz, boca e olhos), o vírus não voa (a não ser que  a pessoa portadora do vírus espirre a menos de um metro de distância de nós).

4.- P: É fácil o contágio em aviões? R: Não, é um meio pouco propício para o contágio.

5.- P: Como posso evitar o contágio?  R: Não levar as mãos à cara, olhos, nariz e boca. Não estar próximo de uma pessoa possuidora da doença. Lavar as mãos mais de 10 vezes por dia.

6.- P: Qual é o período de incubação do vírus? R: Em média de 5 a 7 dias e os sintomas aparecem quase de imediato.

7.- P: Quando se devve começar a tomar medicamentos?  R: Dentro das 72 horas do aparecimento dos sintomas os resultados são muito bons, a cura é de 100%.

(more…)

 

Instituto Adolfo Lutz isolou e sequenciou o vírus da Gripe A e descobriu diferenças 18 de Junho de 2009

1313065Mutação detectada em S. Paulo não tem relevância no desenvolvimento da vacina
As diferenças entre o vírus analisado no Brasil e a versão original do H1N1 descrita pela Organização Mundial de Saúde (OMS) são muito subtis. Mas, ainda que discretas, serão as primeiras alterações detectadas numa estirpe que era considerada estável até à data e já introduziram um novo termo no recente vocabulário da pandemia: a partir da agora, há também a gripe A/São Paulo/H1N1.

Os vírus não são imutáveis. As mutações, mais ou menos significativas, são normais. Por isso, a vacina para a gripe sazonal é diferente quase todos os anos, integrando diversas estirpes (ou subtipos) do vírus da gripe. Neste caso, as alterações detectadas no vírus H1N1 “não têm ainda repercussões no desenvolvimento da vacina”, assegurou ao PÚBLICO Marta Salomão, directora do Instituto Adolfo Lutz, dependente da Secretaria de Estado da Saúde de S. Paulo.

Essa era uma das principais preocupações: existirem já mutações capazes de justificar o desenho de diferentes “fórmulas” para a imunização quando ainda nem temos a vacina para a estirpe original da gripe A.

A discreta alteração, como referem os cientistas de São Paulo, mostra que um dos segmentos genéticos apresenta “apenas” uma taxa de similaridade que se situa entre os 99,5 e 99,7 por cento em relação à estirpe inicial referenciada como Gripe A/Califórnia/H1N1. Nos outros segmentos, a caracterização molecular da estirpe de São Paulo é igual à versão original. “São pequenas mutações, mas vamos continuar atentos”, diz Marta Salomão.

Com a sequenciação do vírus H1N1 em curso em todo o mundo, a responsável do instituto brasileiro afirma que este novo subtipo apresenta uma combinação única de segmentos genéticos que não tinha sido relatada antes nas caracterizações dos vírus de influenza suína ou humana.

A parte do vírus onde foram detectadas alterações está relacionada com a proteína hemaglutinina e está ligada à capacidade de infecção viral, nota Marta Salomão, adiantando que o instituto tem já mais “sete vírus isolados e que serão sequenciados”.

Os resultados agora divulgados foram obtidos com a análise da secreção respiratória do primeiro caso de infecção em São Paulo: um homem de 26 anos internado a 24 de Abril no Instituto de Infectologia Emílio Riba e que já recuperou.

Do vírus isolado e sequenciado recolheram imagens que foram ampliadas 200 mil vezes. “A caracterização genética é fundamental na investigação da epidemiologia molecular do vírus, para saber se o padrão viral se mantém ou já se diferenciou dos de outras regiões. Isto contribui para a produção de vacina e avaliação de resposta aos antivirais”, conclui a nota técnica no site do instituto.

Contactada pelo PÚBLICO, a virologista Raquel Guiomar disse desconhecer os pormenores da investigação brasileira, mas adiantou que a relevância de uma mutação depende sempre da sua extensão. Para já, não será caso para preocupações. Porém, sabe-se que o H1N1 pode sofrer mutações que o tornem mais virulento e é possível que surjam variantes resistentes a alguns medicamentos.

 17.06.2009  – In PÚBLICO