BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Visite o Sistema Solar 9 de Maio de 2011

Filed under: 11ºAno,9ºAno,Curiosidades — Prof. Cristina Vitória @ 15:37
Tags: , , , , ,

Um excelente modelo interactivo em 3D do nosso sistema solar. Escolha um planeta, acompanhe-o na sua órbita ou visite uma constelação.

 

Água doce que chega aos oceanos aumentou quase um quinto em 13 anos 8 de Outubro de 2010

A água evapora-se dos oceanos, criam-se nuvens, chove e nos continentes os rios levam esta água de volta ao mar. Mas cada vez em maior volume. Segundo uma equipa de cientistas que utilizou satélites para avaliar os caudais dos rios da Terra, entre 1994 e 2006, o volume anual de água doce que chegou aos oceanos aumentou 1,5 por cento. Tudo porque o termóstato do planeta está mais elevado.

“Pode não parecer muito – 1,5 por cento por ano –, mas ao fim de algumas décadas é uma quantidade enorme”, afirma em comunicado Jay Famiglietti, professor de Ciências da Terra da Universidade da Califórnia e investigador principal do estudo publicado na revista Proceedings of the Royal Academy of Sciences. Ao longo de 13 anos, as medições feitas pelos satélites Topex/Poseidon e Jason-1, da NASA e da Agência Espacial Francesa, e pelos satélites Aerospace Center Gravity Recovery e Climate Experiment, da NASA com o Centro Espacial Alemão, mediram um aumento de 18 por cento de água a chegar aos mares. (more…)

 

Estudo dos lagos nos Himalaias quer medir risco de inundações 24 de Junho de 2009

HimalaiasAlterações Climáticas afectam as montanhas mais altas do mundo

Um grupo de investigadores começou a estudar os lagos formados pelo degelo dos glaciares dos Himalaias para obter dados sobre o risco de inundações que estas massas de água podem provocar. O primeiro a ser estudado foi o Imja na região do Evereste. A investigação ainda vai no início mas já se notam mudanças que podem estar associadas às alterações climáticas.O gelo dos Himalaias alimenta a rios asiáticos importantes como o Ganges ou o Indo. Estudos anteriores feitos a partir de simulações informáticas mostram que estes rios podem aumentar de tamanho provocando inundações devido ao degelo causado pelas alterações climáticas.

“A área do lago tem vindo a ficar maior e há algumas mudanças nas extremidades das moreias [locais onde se acumulam depósitos]”, disse à BBC News Pradeep Mool, um dos especialistas do International Centre for Integrated Mountain Development (ICIMOD). O instituto, que também é responsável por este estudo, é formado por oito países asiáticos da região dos Himalaias e dedica-se a investigar o impacto que a cordilheira pode ter nas populações humanas locais. O investigador acrescentou que o aumento do tamanho do lago não é alarmante.

O Imja situa-se a cinco mil metros de altitude, nasceu no final dos anos de 1950 devido ao descongelamento de um glaciar. O lago foi o primeiro a ser visitado, em Maio. Seguem-se outros do Nepal. “Começámos pelo Nepal, mas pretendemos estender os estudos para outros países que ficam nos Himalaias”, disse à BBC News Arun Bhakta Shretha, um especialista em alterações climáticas também do ICIMOD. “Esta é parte de uma avaliação regional das inundações que estes lagos podem causar”, referiu.

As alterações climáticas estão por trás desta preocupação. Há 20 anos que não existe uma monitorização no local da evolução dos lagos da cordilheira. Todos os dados que têm sido fabricados foram a partir de simulações informáticas ou através de registos de satélites. Estes estudos mostram por exemplo que a temperatura média das montanhas tem aumentado 0,06 graus célsius por ano.

Só na região do Nepal, dos 3300 glaciares que existem, 2300 têm lagos. Nos últimos 70 ano, ocorreram 30 inundações causadas pelo galgar das águas destes lagos. Appa Sherpa, um sherpa que já fez 19 viagens ao Evereste, conta que viu água líquida acima dos oito mil metros, durante a última escalada em Maio. “Fiquei chocado ao ver água líquida a essa altitude, nunca vira nada sem ser neve e gelo.”

Segundo Arun Bhakta Shretha o objectivo do estudo é compreender os riscos a partir de um olhar que abrange os aspectos físicos, económicos e sociais. “Estamos a tentar ligar a ciência, a política e a atenção do público para que as nossas descobertas sejam úteis para a sociedade.”

A longo prazo, os cientistas defendem que os rios podem secar quase totalmente durante a época seca, devido ao retrocesso contínuo dos glaciares, deixando milhões de pessoas sem água na região. Estes estudos poderão ajudar a estimar quando é que isto pode vir a ocorrer.

23.06.2009 –  PÚBLICO

 

Aquecimento do Atlântico ligado às poeiras do Sara e aos vulcões 29 de Março de 2009

desertoA aceleração do aquecimento do Oceano Atlântico nos últimos trinta anos explica-se em grande parte pela diminuição das tempestades de areia no Sara e uma menor actividade vulcânica nos trópicos, sustenta um estudo divulgado quinta-feira nos Estados Unidos.

Os investigadores combinaram dados de satélites sobre a poeira e outras partículas em suspensão na atmosfera que fazem cortina ao sol, com modelos climáticos para avaliar os efeitos sobre a temperatura na superfície do Oceano Atlântico.

Conseguiram calcular o aquecimento do Atlântico nos últimos 26 anos e o impacto sobre as temperaturas segundo as alterações nas tempestades de areia em África e as actividades vulcânicas sobretudo com as erupções do vulcão El Chichón no México em 1982 e do Monte Pinatubo nas Filipinas em 1991.

“Uma grande parte da subida da temperatura desde há 26 anos na superfície do Oceano Atlântico nos trópicos – um quarto de grau Celsius em média por década – só pode explicar-se por (uma diminuição) das tempestades de areia e da actividade vulcânica”, indica Amato Evan, um climatologista da Universidade do Wisconsin (norte), principal autor deste estudo publicado na edição online do jornal Science datado de 26 de Março.

“A combinação destes dois factores explica cerca de 70 por cento deste aumento da temperatura e um quarto está ligado às tempestades de areia e poeira” em África, precisa.

Um aumento modesto pode ter um impacto importante na frequência e na intensidade dos ciclones que se formam mais nas águas mais quentes, explica este investigador.

É assim que a diferença de temperatura na superfície do Atlântico entre 1994, um ano com muito pouca actividade ciclónica, e 2005, que bateu um recorde em número de tempestades tropicais e de furacões, foi de apenas de meio grau Celsius, nota.

Os resultados desta investigação sugerem que apenas 30 por cento dos aumentos da temperatura da água do Atlântico são devidos a outros factores tais como as alterações climáticas, conclui.

Sem desvalorizar a importância das alterações climáticas, este investigador nota que este ajustamento permite compreender porque é que o Atlântico aquece mais depressa do que o Pacífico.

“Isto permite restabelecer uma coerência porque sabemos que as alterações climáticas não podem só por si levar a uma subida tão rápida das temperaturas na superfície dos oceanos”, salienta Amato Evan.

                                                                  In Diário de Notícias, 27 de Março de 2009