BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Bactérias: Um micromundo dentro de cada um 3 de Abril de 2012

É do conhecimento geral que existem seres vivos microscópicos designados por bactérias. A tendência é pensar nestes seres como prejudiciais, causadores de doenças ou responsáveis pela degradação de alimentos, por exemplo. Mas sendo tudo isto verdade, começamos hoje a perceber também a sua importância fundamental na protecção da nossa saúde.

Na realidade, temos dentro do nosso tubo digestivo uma quantidade astronómica destes organismos. Estima-se que o número seja cerca de dez vezes superior ao número de células em cada um de nós, qualquer coisa como cem biliões de seres vivos!

Curiosamente, todos nascemos com o nosso tubo digestivo livre de bactérias, mas logo após iniciarmos a amamentação, começamos a ser colonizados por aquelas que foram seleccionadas pela nossa mãe num processo admirável que leva cada microorganismo do seu intestino para o leite e depois para o bebé.

Em pouco tempo formamos a nossa colónia numerosa, específica de cada indivíduo quase como uma impressão digital, mas que pode variar em função da nossa alimentação, sobretudo.

O papel deste verdadeiro ecossistema que existe no nosso intestino é muito variado e reconhecemos-lhe uma importância cada vez maior. Tal como se fosse um órgão adicional, que evolui connosco há milhares de anos, as bactérias regulam o nosso sistema imune, ajudam a proteger-nos de doenças, equilibram o nosso metabolismo energético, auxiliam na digestão alguns alimentos e na absorção dos seus componentes e produzem mesmo nutrientes como a vitamina B12 , a biotina ou a vitamina K. (more…)

 

Parasita consegue “manipular” o comportamento de ratinhos 15 de Março de 2012

Quando os ratinhos, que têm naturalmente muito medo dos felinos, têm cistos no cérebro devido a uma infecção crónica pelo parasita Toxoplasma gondii, começam a andar mais depressa e durante mais tempo… e o medo de serem caçados diminui. Este autêntico jogo do gato e do rato virado do avesso – e cujos cordelinhos são literalmente puxados por um microorganismo – foi agora revelado por Cristina Afonso e Vítor Paixão, da Fundação Champalimaud, e foi nesta quarta-feira à noite publicado online na revista de livre acesso PLoS ONE.

O Toxoplasma é um protozoário capaz de infectar todos os mamíferos, mas cujo hospedeiro final são os felinos, onde se reproduz de forma sexuada (nos roedores, hospedeiros intermédios, reproduz-se por clonagem). Ora, se os ratinhos se tornarem mais aventureiros, os gatos apanham-nos mais facilmente, aumentando as chances de o parasita conseguir infectar o seu hospedeiro final.
A infecção no ratinho começa com uma fase aguda, durante a qual o animal perde muito peso, e a seguir torna-se crónica, com o parasita a formar pequenas bolsas, ou cistos, cerebrais. Já se suspeitava que, estando alojado no cérebro, o parasita pudesse induzir alterações comportamentais nos roedores. Por exemplo, observações de laboratório sugeriam que os ratinhos infectados, em vez de fugirem a sete pés do cheiro a gato, se tornavam indiferentes a ele e até podiam achá-lo “interessante” porque activava áreas cerebrais associadas, como o prazer sexual. “Como se pensassem, ‘espera lá, isto não é um predador, é uma fêmea!’”, diz-nos Cristina Afonso em conversa telefónica. (more…)