BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Cientistas voltam a insistir no “risco acrescido” de alterações climáticas “irreversíveis” 19 de Junho de 2009

climaNecessidade de reduzir significativamente as emissões de GEE
A humanidade será confrontada com um “risco acrescido” de alterações climáticas “abruptas e irreversíveis” se não conseguir reduzir, significativamente, as suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE), alertou hoje um relatório de síntese redigido por 12 cientistas, a partir da reunião de dois mil investigadores de 80 países, que estiveram reunidos em Março em Copenhaga.

“As observações recentes mostram que numerosos aspectos do clima estão perto do limite máximo das projecções do IPCC (Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas)”, indica este relatório, publicado a seis meses da conferência de Copenhaga, em Dezembro. Daqui deverá sair o sucessor do Protocolo de Quioto, que expira em 2012.

Aumento da temperatura média à superfície da Terra, degelo dos glaciares, subida do nível dos mares, acidificação dos oceanos: numerosos indicadores climáticos já se situam para lá das flutuações naturais nas quais se desenvolveram as sociedades contemporâneas, notam os cientistas.

“Se as emissões não forem controladas, numerosas tendências vão, provavelmente, acelerar, provocando um risco acrescido de alterações climáticas abruptas e irreversíveis”, salienta este documento.

Os especialistas do clima lembram que “uma das evoluções mais espectaculares” desde o último relatório do IPCC, publicado em 2007, é a rápida redução dos gelos à superfície do oceano Árctico, no final de cada Verão.

Mas se o relatório salienta a urgência de uma redução das emissões de GEE, criticando as metas fracas para 2020, não toma posição sobre os compromissos já fixados durante a negociação mundial em curso.

Os objectivos para 2020 anunciados até agora pelos grandes países industrializados representam uma redução total de emissões na ordem dos oito a 14 por cento, a níveis de 1990. No entanto, a comunidade científica recomenda uma redução de 25 a 40 por cento para limitar o aumento das temperaturas do planeta nos 2ºC.

 18.06.2009   PÚBLICO

Anúncios
 

Descoberto local onde se formaram os primeiros gelos do continente mais frio do mundo 8 de Junho de 2009

 

Região da Antárctida com topografia parecida com os Alpes

 
ANTARCTICA LIFE
 
 
 
 

Há 14 milhões de anos os flocos de neve que caiam nas montanhas de Gamburtsev, na Antárctida, deixaram começaram a formar um pequeno glaciar que transformou a paisagem da Antárctida na cor que conhecemos hoje, branca.

Uma equipa de investigadores foi até àquela região inóspita e através de ondas de rádio conseguiram construir uma imagem da topografia e determinar onde é que se formaram os primeiros glaciares do continente, o estudo foi publicado hoje na versão online da revista “Nature”.

“Este é o maior reservatório de gelo da Terra, e é o local da Terra que menos se conhece”, disse Fausto Ferraccioli, cientista do British Antarctic Survey, envolvido num noutro projecto internacional para estudar a região. O investigador explicou que as elevações e a localização das montanhas de Gamburtsev tornam o “local ideal” para a formação do primeiro gelo.

O primeiro autor do estudo, Sun Bo do Instituto de Investigação Polar da China, e os seus colegas, percorreram mais de 1200 quilómetros do Centro de Investigação que fica no extremo Este do continente, até ao meio das montanhas, num local denominado Dome A. Nessa região, a equipa utilizou o radar para medir um quadrado de 30 quilómetros de lado e determinou que a paisagem, há 14 milhões de anos, era parecida com a cordilheira dos Alpes. A equipa chegou à conclusão que neste último período de tempo, a camada de gelo não se alterou.

O radar emite ondas para o chão que quando chegam à interface entre o gelo e a montanha são reflectidas devido à mudança do material. Como os investigadores sabem a velocidade das ondas podem, através do tempo que a onda demora a ir e vir, medir a espessura do gelo.

Desta forma conseguem ter uma ideia da topografia. “O que é perfeito, porque permite-nos perceber como é que o vale funcionaria quando estava preenchido por gelo, e como é que a água escorria quando não existia gelo nenhum”, disse à BBC News Martin Siegert, director da escola de geociências na Universidade de Edimburgo, que também esteve envolvido no estudo.

No final do Eocénico, há 40 milhões de anos, a diminuição da temperatura da Terra foi o arranque para o “congelamento” da Antárctida, a movimentação das placas tectónicas que “chutaram” o continente para o Pólo Sul e a formação da corrente circumpolar antárctica tornaram o clima do continente no que é agora.

Por cima das montanhas de Gamburtsev existem três quilómetros de gelo. “É necessária uma temperatura média anual de três graus célsius para que os glaciares se formem como se formaram”, disse Siegert. “Hoje, a temperatura média anual nesta região é de 60 graus negativos. Por isso acreditamos que estas montanhas são uma relíquia [devido à erosão glacial] da Antárctida antes da camada de gelo estar no lugar”

O estudo também é revelante para se compreender a estabilidade do gelo. “É uma parte crítica do sistema terrestre,” disse Ferraccioli. “Se todo o gelo derretesse, o nível médio do mar subiria cerca de 60 metros.”

“Tem havido muitas alterações climáticas ao longo destes 14 milhões de anos”, disse Siegert. “O que podemos dizer sobre este local no meio da Antárctica é que nada mudou.” Mas o investigador avisa que se o mundo continuar a emitir dióxido de carbono como tem feito até agora, nos próximos mil anos o continente deixará de ter gelo.

“Isto põe a camada de gelo no contexto do clima global e quais são as condições necessárias para uma camada de gelo aumentar,” explicou Siegert. “O que é preocupante é que parece que nos dirigimos para concentrações de dióxido de carbono consistentes com alturas em que havia muito menos gelo.”

03.06.2009 – 23h26 PÚBLICO