BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Plantas fazem cálculos de matemática para controlar alimentos 27 de Junho de 2013

plantas-dc7eCientistas britânicos descobriram que as plantas têm capacidade para fazer cálculos matemáticos sofisticados com o objetivo de regularem as suas reservas de amido.

Modelos matemáticos usados por uma equipa de cientistas do Centro John Innes, em Norwich (Reino Unido), provaram que a quantidade de amido consumido pelas plantas de noite é calculada com precisão através de operações de matemática.

Os investigadores estudaram a Arabidopsis thaliana, uma planta da família das Brassicaceae, a que pertencem também as couves e a mostarda, que é usada como planta modelo para experiências científicas, nomeadamente no estudo da biologia genética vegetal.

Durante a noite, quando esta planta não pode usar a energia solar para converter o dióxido de carbono em açúcares e amido, regula as suas reservas de amido através de operações de divisão para garantir que estas se mantêm até ao nascer do sol.

E há uma repartição de tarefas. Enquanto os mecanismos do interior das folhas medem a quantidade de amido armazenado, a informação sobre o tempo tem origem num relógio interno semelhante ao relógio interno do corpo humano.

Dois tipos de moléculas em jogo

Os cientistas defendem que este processo é mediado por concentrações de dois tipos de moléculas: S para o amido e T para o tempo. As moléculas S estimulam o consumo de amido, enquanto as moléculas T evitam que tal aconteça. Então a taxa de consumo de amido é calculada pela planta através de uma operação em que S é dividida por T.

“É o primeiro exemplo concreto na biologia de tal cálculo aritmético sofisticado”, afirmou à BBC o matemático Martin Howard, um dos membros da equipa. (more…)

Anúncios
 

NASA faz a maior fotografia panorâmica da Terra 22 de Maio de 2013

A NASA realizou a maior imagem panorâmica do Planeta Terra. Esta tem cerca de 9.000 km de comprimento e 185 km de largura e foi recolhida pelo satélite Landsat. A imagem vai desde a Rússia à África do Sul.

O satélite Landsat captou uma imagem contínua da Terra de cerca de 9.000km de comprimento. Segundo o site da NASA, esta imagem engloba o território compreendido entre o norte da Rússia e a África do Sul. A imagem apresenta-se com as cores naturais com que foi captada, bem como as nuvens e a neblina. Para além disso revela vários ângulos de luz solar.

Veja o mapa interativo com a composição das imagens captadas pela NASA:

O Landsat é um satélite de recolha de dados e monitorização dos recursos terrestres a partir do espaço para auxiliar o estudo da sustentabilidade humana na Terra, tal como comida, água e florestas.

 

Time lapse – Dubai – uma viagem ao futuro 21 de Maio de 2013

Filed under: 11ºAno,12º Ano,7ºAno,8ºAno,9ºAno,Curiosidades — Prof. Cristina Vitória @ 09:52
Tags: ,

 

O que é um leucócito ou glóbulo branco? 11 de Abril de 2013

Filed under: 11ºAno,12º Ano,9ºAno,Notícias da Ciência — Prof. Cristina Vitória @ 13:05
Tags: , , ,

leucocito-devorando-fungos-600x600Nesta imagem pode-se ver um leucócito (glóbulo branco) engolindo esporos do fungo Aspergillus fumigatus que podem causar doenças em pessoas que não estão com o sistema imunológico a funcionar corretamente, ou seja, imunossuprimidas.

Os leucócitos são fabricados na medula óssea e estão presentes em vários tecidos do corpo.Temos muitos deles no nosso corpo, entre 3.800 e 9.800 por milímetro cúbico de sangue.

Glóbulos brancos são soldados do corpo humano que utilizam suas vias sanguíneas para viajarem para os seus locais de trabalho e sua função é o combate a microorganismos e compostos químicos.

O mais interessante é que eles não funcionam como parte do nosso corpo, mas como um organismo independente, com a capacidade de se movimentar e capturar coisas independentemente, comportando-se de maneira similar à uma ameba.

Hypescience 11/04/13

 

Quando uma decisão-relâmpago é a melhor opção… e pensar não adianta 28 de Março de 2013

Thinking-ManNós, humanos, acreditamos que o facto de ter tempo para pensar permite tomar decisões mais certas. E se isso fosse apenas um preconceito e o cérebro se baseasse muito mais na nossa intuição do que imaginamos?

“Quando vou ao restaurante, demoro imenso a escolher o que vou comer. Não consigo fazer de outra maneira, mas não tenho a certeza de que essa deliberação me permita desfrutar mais da refeição do que se tivesse escolhido outro prato.” Foi com este exemplo da sua vida quotidiana que Zach Mainen, director do Programa de Neurociências da Fundação Champalimaud, em Lisboa, explicou esta quinta-feira ao PÚBLICO os resultados do trabalho que publicou online a revista Neuron.

 O estudo foi liderado por este neurocientista norte-americano no Laboratório de Cold Spring Harbor, nos EUA, antes de ele ter vindo viver para Portugal. Entretanto, já foram obtidos mais resultados cá e outros artigos foram ou deverão ser submetidos para publicação. Mas aquele foi o ponto de partida.

“Muitas vezes, se demorarmos mais tempo, conseguimos melhorar o nosso desempenho”, explica Mainen. Mas há limites: mesmo num exame escolar, após várias horas, isso já não é possível. E, muitas vezes, a melhor decisão pode também consistir em optar sem pensar, intuitivamente. É essa diferença que os cientistas querem elucidar: “Estamos interessados em saber por que algumas decisões parecem beneficiar da atribuição de tempo e outras não; por que é que algumas decisões exigem mais tempo e outras menos. É algo que tem sido pouco estudado.” (more…)

 

Estudo revela novos dados sobre a lula gigante 20 de Março de 2013

Até agora tinham sido descritas 21 espécies. Mas afinal haverá apenas uma, segundo uma análise genética a amostras de todo o mundo.

743275

Há cerca de um século e meio, em 1857, bastaram algumas ventosas, um bico e outros fragmentos encontrados numa praia para que o cientista dinamarquês Japetus Steenstrup atribuísse um nome científico à mítica lula gigante. Agora, cientistas desceram ao nível das células e olharam para os genes do animal para concluir que, a despeito de muitas descrições feitas desde então, afinal há só uma espécie no mundo todo.

É este o principal resultado de um estudo publicado esta quarta-feira na revista Proceedings of the Royal Society B, liderada por investigadores da Universidade de Copenhaga – entre eles uma portuguesa.

É a primeira vez que as lulas gigantes são alvo de uma análise genética comparativa. “Até hoje, não havia nenhum trabalho porque havia poucas amostras”, afirma Paula Campos, do Centro para a Geogenética, do Museu de História Natural da Dinamarca, ligado à Universidade de Copenhaga. (more…)

 

VS Ramachandran: Os neurónios que moldaram a civilização 16 de Fevereiro de 2013

O neuro-cientista Vilayanur Ramachandran delineia as fascinantes funções dos neurónios-espelho. Descobertos recentemente, esses neurónios nos permitem aprender comportamentos sociais complexos, alguns dos quais constituíram os fundamentos da civilização humana como nós a conhecemos.