BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

Cientistas voltam a insistir no “risco acrescido” de alterações climáticas “irreversíveis” 19 de Junho de 2009

climaNecessidade de reduzir significativamente as emissões de GEE
A humanidade será confrontada com um “risco acrescido” de alterações climáticas “abruptas e irreversíveis” se não conseguir reduzir, significativamente, as suas emissões de gases com efeito de estufa (GEE), alertou hoje um relatório de síntese redigido por 12 cientistas, a partir da reunião de dois mil investigadores de 80 países, que estiveram reunidos em Março em Copenhaga.

“As observações recentes mostram que numerosos aspectos do clima estão perto do limite máximo das projecções do IPCC (Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas)”, indica este relatório, publicado a seis meses da conferência de Copenhaga, em Dezembro. Daqui deverá sair o sucessor do Protocolo de Quioto, que expira em 2012.

Aumento da temperatura média à superfície da Terra, degelo dos glaciares, subida do nível dos mares, acidificação dos oceanos: numerosos indicadores climáticos já se situam para lá das flutuações naturais nas quais se desenvolveram as sociedades contemporâneas, notam os cientistas.

“Se as emissões não forem controladas, numerosas tendências vão, provavelmente, acelerar, provocando um risco acrescido de alterações climáticas abruptas e irreversíveis”, salienta este documento.

Os especialistas do clima lembram que “uma das evoluções mais espectaculares” desde o último relatório do IPCC, publicado em 2007, é a rápida redução dos gelos à superfície do oceano Árctico, no final de cada Verão.

Mas se o relatório salienta a urgência de uma redução das emissões de GEE, criticando as metas fracas para 2020, não toma posição sobre os compromissos já fixados durante a negociação mundial em curso.

Os objectivos para 2020 anunciados até agora pelos grandes países industrializados representam uma redução total de emissões na ordem dos oito a 14 por cento, a níveis de 1990. No entanto, a comunidade científica recomenda uma redução de 25 a 40 por cento para limitar o aumento das temperaturas do planeta nos 2ºC.

 18.06.2009   PÚBLICO