BioGeogilde Weblog

Blog de apoio e complemento às aulas de Ciências Naturais, Biologia Geologia e Biologia

A Escala do Tempo Geológico 2 de Novembro de 2008

Filed under: Uncategorized — Prof. Cristina Vitória @ 23:51
Tags: ,

Combinando técnicas de datação absoluta e de datação relativa, os geológos determinaram a sequência cronológica dos acontecimentos que marcaram, ao longo dos tempos, a história da Terra. A partir desta sequência construíram a escala de tempo geológico.

                                                                                                                                                                                      Transparências Porto Editora

Anúncios
 

Datação Absoluta ou Radiométrica

Filed under: Uncategorized — Prof. Cristina Vitória @ 23:36
Tags: , , ,

Ao contrário da datação relativa, que apenas fornece a relação cronológica entre estruturas geológicas, a datação absoluta ou radiométrica permite estimar a idade das rochas em milhões de anos (M.a.), através da desintegração regular de isótopos radioactivos naturais.

Os isótopos radioactivos desintegram-se espontaneamente e a uma velocidade constante. A velocidade varia de elemento para elemento mas não é afectada por condições ambientais, como a temperatura ou a pressão.

Alguns elementos radioactivos têm períodos de semitransformação muito longos e outros mais curtos, sendo esses valores utilizados na determinação da idade das rochas.

 

Como fazer a datação radiométrica?

Tendo conhecimento do tempo que leva um elemento a desintegrar-se, os cientistas podem pesquisar as quantidades presentes do isótopo-pai e do isótopo-filho e chegar à data do início da desintegração.

Em teoria, o método da datação radiométrica é simples, mas difícil de pôr em prática, porque as concentrações de isótopos radioactivos presentes nas rochas são muito baixas e difíceis de avaliar com precisão. Os resultados podem também não ser significaivos se o isótopo-pai presente na rocha se juntar a outro isótopo após a formação ou se o isótopo-filho tiver podido escapar da rocha. São necessários testes muito sofisticados para assegurar que nada disto tenha acontecido.

Para fazer a datação radiométrica determinam-se as quantidades relativas do isótopo-pai (P) e do respectivo isótopo-filho (F), bem como a semivida (tempo necessário para que se dê a desintegração de metade do nº de átomos do isótopo-pai, originando átomos-filhos) correspondente.

 

Fósseis – Uma Máquina do Tempo para Recuar no Passado

Filed under: Uncategorized — Prof. Cristina Vitória @ 23:03
Tags:

Desde sempre, um dos grandes sonhos do Homem foi contruir uma máquina que lhe permitisse viajar no tempo, não só para poder visualizar o futuro, mas também para poder recuar no passado, de modo a poder observar os acontecimentos mais importantes que marcaram as principais etapas da história do nosso planeta.
Vários modelos dessa máquina foram, ao longo dos tempos, experimentados. No entanto, nenhum se revelou tão eficaz como aquele que os geólogos têm utilizado: as rochas e, em particular, as rochas que contenham restos de seres vivos que viveram na Terra em determinado momento – os fósseis.

 

3. A Medida do Tempo Geológico e a Idade da Terra – Objectivos

Filed under: Uncategorized — Prof. Cristina Vitória @ 22:59

Objectivos

  • Compreender que a medida de tempo geológico foi árdua e demorada;
  • Distinguir idade relativa de idade radiométrica;
  • Compreender a importância dos fósseis e dos estratos na datação relativa;
  • Compreender o método da datação radiométrica;
  • Relacionar a escala dos tempos geológicos com os períodos de extinção e de diversificação de formas de vida.